07/05/2012

8x22 - Let the Bad Times Roll - Review

BY Milena Pais IN , 8 comments



Os bons tempos se foram. Os residentes agora cheiram pãozinho.


Se eu tivesse que descrever esse episódio de Grey’s Anatomy com apenas duas palavras, eu usaria o termo “histeria coletiva”. Foi mesmo um episódio histérico, no melhor dos sentidos. Não poderia ser diferente quando as emoções estão no limite, seja para os residentes em teste, seja para os que ficam no Seattle Grace.

Como estamos a dois episódios da tão esperada Finale, que de acordo com tia Shondinha vai ser bombástica, a clima de incertezas toma conta e ainda é impossível saber como as coisas serão definidas, embora tentemos adivinhar o tempo todo. No hospital, por exemplo, é hora de procurar alternativas para preencher o quadro de profissionais, afinal, boa parte desses residentes pode decidir mudar de emprego e deixá-los na mão.

O que achei realmente engraçado foi ver a discrepância entre essa nova turma e a turma de Meredith, lá do episódio Piloto. Ali, o residente (ou interno) não mandava em porcaria alguma e apenas tentava passar ileso pelo primeiro dia com a famosa Nazi, que agora precisa bancar babá de playboy e ver médicos nojentinho cheirando o pão no refeitório.

É a triste realidade com a qual todos terão de lidar diariamente, caso Meredith, Cristina, Avery e Karev deixem o Seattle Grace. Pois é. Kepner não apenas perdeu quatro propostas de emprego como também a sanidade. Foi engraçado vê-la em todos aqueles momentos desesperados, mas no fundo, sinto pena. Ser reprovada nesse teste significa um ano inteiro de desemprego e ostracismo e uma pausa dessas na carreira de qualquer um pode ser um desastre.

A coisa toda foi meio pastelão. Kepner estava com os nervos à flor da pele, tirando o blazer e mostrando suas pizzas de suor por todos os lados. Essa parte até poderia ser esquecida, mas ela demonstrou muita falta de autoconfiança, o que deve ser algo realmente negativo em um médico, que precisa definir ações rápidas em momentos de tensão.

Apesar de toda a dedicação que demonstra, Kepner mostrou exatamente isso: ela não está pronta para lidar com grandes pressões e isso faz parte do dia a dia da medicina. Foi mais do que um surto, foi uma prova de despreparo emocional, embora a coisa toda do sexo e de Jesus também estejam na equação, piorando tudo ainda mais.

Aliás, esse lance da religião foi estranho. Não a crença dela em si, mas a reação. Cometer o mesmo erro duas vezes, fazendo cara de safada, no meio do intervalo do teste, não é uma boa recomendação. E quando digo erro, quero dizer que Kepner considera aquilo um erro. Ou não. Honestamente, a confusão mental dela estava por todos os lados.

Avery também teve sua chance de surtar. Quem não ficaria como ele, nervoso e inseguro, quando a mãe está na sala ao lado e quando a família exige que ele prove a qualidade do sobrenome? Karev, que foi o que mais nos deixou curiosos, mandou bem nas respostas e até em seu surto final. Sem aquilo talvez ele nem fosse aprovado.

Confesso até que temi por Cristina. Ela sabe tudo de tudo, mas tem gente que implica com isso e quer manter certas “tradições” intactas. Parece até que cada um deles pegou um “algoz” escolhido a dedo, porque Meredith sofreu muito respondendo sobre intestinos o tempo todo, mas fez uma bela recuperação depois da metáfora de Derek: o teste é um espelho.

Aliás, essa foi uma parte bem cretina do episódio. Todos sabemos o quanto Grey’s Anatomy é feita de metáforas, mas Derek caprichou nas usadas para Lexie e Sloan. Fiquei pasma com o discurso dela, já no final, declarando seu amor linda e desesperadamente, enquanto Mark ficava ali, com cara de paspalhão.
É até compreensível. A namorada doida dele está propondo ter um filho assim, à queima roupa e convenhamos, Mark não é um cara muito rápido de raciocínio e precisa de um tempo para processar as informações. Espero que ele, agora, faça a escolha certa, porque esse drama de Lexie precisa ter um fim.

P.S* Uma boa retomada foi a do grande trauma da vida de Arizona, a morte do irmão, Tim, relembrada com a presença desse amigo de infância, que aparece em sua vida agora, praticamente para uma despedida.

Escrito por: Camis Barbieri

8 comentários:

  1. Uau! Esse review teve a segunda história mais importante do episódio (1º foi os residentes) a ser analisada num "PS" de duas linhas. Uau!

    ResponderExcluir
  2. Acho que a Kepner passou, se não tivesse passado pq ela estaria na comemoração dos aprovados ??? Vejam a promo.

    ResponderExcluir
  3. Dralexkarev07/05/2012 17:50

    Só não ta mais perfeito... pq Iz e George não estão... não tem como não lembrar deles... e fico pensando de como eles estariam aí... seria tão perfeito!
    April e Avery nunca conseguirão tomar o posto de Iz e Geo!

    ResponderExcluir
  4. Gostei muito deste episódio mas soube a pouco...

    Os residentes que apesar de tanto problema deram-se bem, excepto a April. Fiquei com pena dela, pois eu gostava que todos tivesse passado. Mas não foi surpresa nenhuma e acho que foi preguiça da Shonda tê-la reprovado. Seria mais interessante ver um dos residentes "originais" criados pela Nazi a falhar do que a April, iria dar mais emoção à história, por exemplo a Cristina, a deusa da Cardio, se falhasse como ela iria reagir? Ela que foi arrogante durante as provas inteiras para com o Dr velhinho, o que ela faria se reprovasse? Com isto não quero dizer que quisesse que a Cristina ou outro reprovasse, por mim tinham passado todos, mas apenas que a Shonda optou pelo caminho mais fácil e óbvio e como as audiências andam em relação a outros tempos, ela não pode optar pelo caminho mais óbvio muitas vezes.

    Achei tão HOT a cena entre a April com o Jackson na casa de banho! Espero que ela deixe-se de loucuras e dê mais uns pegas nele no futuro. Mas será que ele já esqueceu a Lexie?

    Quanto à Arizona viu-se perfeitamente que quando se fala no irmão Tim isso ainda a incomoda imenso, quando o Nick falou do casamento deles em pequenos, notou-se que ela ficou incomodada.
    Nesta cena a Callie surtou imediatamente quando o Nick disse que era casado com a Arizona, é impressionante como a mulher fica ciumenta assim que se trata de Arizona com mais alguém. Finalmente abriu os olhos e viu quem tem a seu lado e o que pode perder!
    Na cena final da Arizona em que ela grita com o amigo, ela transbordava de dor, mas pensei que a Callie a apoiasse mais neste momento, veremos o que faz no próximo episódio. Estou ansiosa por quinta-feira para ver como este caso vai acabar, o Nick morre ou não? A Callie salva-o ou não? (quando a Arizona está com o Nick na cama e abraçam-se, juro que pensei que se iam beijar, dei por mim a gritar para o computador: Não, não se beijem, então e a Callie?) LOOOOL

    Por fim, não tenho palavras para descrever o quanto Lexie e Mark são inúteis. Ela esteve durante 1 minuto e 30 segundos a dizer de todas as maneiras possíveis e impossíveis que o amava e ele apenas ficou a olhar --' espero que resolvam as coisas depressa porque já não há paciência para estes otários. De salientar o egoísmo do Mark ao querer um filho da Júlia depois de ter pensado nisso, afinal era uma ideia de génio porque ele queria mais filhos, sério? Fizeram tanta palhaçada esta temporada para evidenciar que ele "cresceu" e blablabla e afinal está na mesma, usa as mulheres e joga-as fora, neste caso é óbvio que a Júlia para ele não passa de uma máquina de fazer filhos. Enfim espero que se livrem destes pesos mortos, Depressa!

    ResponderExcluir
  5. Pedro Morais07/05/2012 19:55

    Não teria sentido Cristina reprovar. Seria muito incoerente com a personagens. E tenho certeza de que ela passou nas três etapas.

    E não seria justo Mer, Cris ou Alex reprovar. Estamos há oito temporadas esperando por esse momento. A produção de Grey's Anatomy está pisando em ovos com relação aos atores, Shonda sabe que é muito arriscado fazê-los ficar mais um ano ali como residente, sendo que no fim das contas, Grey's pode acabar ou o que reprovou sair da série antes de se tornar atendente.

    ResponderExcluir
  6. Falei na Cristina como um exemplo, assim como podia ter referido a Mer ou o Alex. Mas se não fossem os contratos esta história podia ter outro fim, do meu ponto de vista se um dos personagens criados pela Nazi reprovasse teria outro significado, assim como quando o George falhou nas provas para se tornar residente e, nesse caso foi incoerente com a sua personagem.

    ResponderExcluir