13/04/2012

Conheça Scandal

BY Milena Pais IN , , 4 comments

E aí, já assistiram a nova série da Shonda Rhimes? Gostaram? Ainda não viu? Então confira uma review sobre o episódio piloto de Scandal.

Os novos gladiadores.

Sucesso entre a crítica americana, Scandal é a nova série da ABC, com assinatura de Shonda Rhimes, conhecida por criar Grey’s Anatomy e Private Practice. Como tudo que envolve o nome de Rhimes, a produção estreia gerando muita expectativa, mas é importante questionar tanta aceitação entre os gringos, que definitivamente, tem estranha preferência por roteiros mais engessados e baseados em simples fórmulas.

Scandal é justamente isso: um procedural. Difícil dizer, só pelo primeiro “casinho da semana” se a coisa vai render e ser mais interessante, mas o começo da série está mais para morno do que qualquer outra coisa. A Season Premiere não é essa maravilha toda, como tem frisado a imprensa especializada internacional. É um episódio que não apresenta nada que realmente salte aos olhos e que definitivamente instiga pouco o público.

A premissa de Scandal é mostrar os bastidores de uma empresa que faz gerenciamento de crise. São, em grande parte, advogados, hackers e investigadores, que descobrem modos de provar que seus clientes, todos com uma imagem a zelar, não são os monstros pintados pelas situações bizarras em que se encontram.

O foco está na equipe de Olivia Pope (Kerry Washington), uma analista de crises de fama reconhecida e que apresenta resultados garantidos. Ela não tem vida fora do trabalho e repete, de forma cansativa e irritante “Eu confio em meus intestinos”.

 Ok, a frase é “I trust my guts”, mas a tradução literal é essa mesmo. Olivia se gaba, 100% do tempo, por ter instintos maravilhosos e indefectíveis, que mostram a ela quem mente e quem diz a verdade. É impossível não rir quando ela exige que os clientes a olhem nos olhos e repitam a história até que “Guts” decida se ela pega o caso ou não. “Guts” é, por assim dizer, quase outro personagem da série, de tanto que é citado e usado em consultas com clientes. Seria engraçado se não fosse chato, banal e super clichê.

Qual não é a surpresa quando “Guts” trai Olivia pela primeira vez, quando ela se vê envolvida, pessoalmente, em uma das crises do momento. Ex-funcionária da Casa Branca, Olívia é das poucas pessoas em quem o presidente dos Estados Unidos confia para desfazer um problema com uma suposta amante.

O presidente Fitzgerald (Tony Goldwyn) afirma e reafirma que jamais trairia a primeira-dama, embora Olivia saiba que isso é mentira, já que ela mesma (pasmem, só que não) é amante do homem. Por questões sentimentais, ela não é capaz de enxergar a verdade. É estranho pensar que “Guts” faria isso com Olivia, já que todo seu talento em gerenciar crises vem daí.

Uma curiosidade está no fato de que Olivia foi criada com inspiração em uma consultora de crises da vida real, Judy Smith, que serve ainda como co-produtora e consultora para manter tudo “muito fiel à realidade”, segundo consta.

Na equipe de Pope temos seu braço direito, Stephen Finch (Henry Ian Cusick), nosso eterno Bróda. Finch é um mulherengo assumido, tentando mudar de vida ao se casar com uma professorinha de primário. Olivia o aconselha a ser o único a ter uma “vida normal”, mas em cenas hilárias faz surgir anéis de noivado ao estalar os dedos, além de se esconder no armário de casacos do restaurante onde ele pedia a professorinha em casamento.

Outra colega de trabalho de Finch, que até dá a dica de que ele precisa se ajoelhar no grande momento, é Abby Whelan (Darby Stanchfield), alguém que está obviamente apaixonada por ele e tem todo potencial para se transformar em sua amante, quando o casamento cair na rotina.

Huck (Guillermo Diaz) é o esquisito que fica no computador o dia todo, mas faz pausas em que invade o banheiro feminino para dar dicas para a novata Quinn Perkins (Katie Lowes), recém-recrutada por Harrison Wright (Columbus Short), em um blind date que era entrevista de emprego, mas ao mesmo tempo já era contratação. Vale dizer que o diálogo inicial da série é com esses dois e que a agilidade com que falam serve apenas para esconder o quanto o texto é imbecil. Como não poderia faltar algum egresso de Grey’s Anatomy, o último personagem é Cyrus (Jeff Perry), o conselheiro do presidente Fitzgerald, outrora conhecido como pai de Meredith Grey.

Para começar, um dos casos é de um militar, que faz a vida propagando a importância do alistamento e de quanto é honrado arriscar a vida em nome do país. Uma figura pública, portanto. O rapaz havia encontrado a noiva morta a tiros, sendo declarado o primeiro suspeito.

A partir daí começa uma série de estratégias para provar que o cliente é inocente e tem um álibi sólido.  Muito convenientemente, ele era um gay enrustido que, não querendo tornar sua opção sexual pública de JEITO ALGUM, se deixa filmar, por câmeras de vigilância super modernas e com definição de imagem perfeita, beijando outro homem. Começa, então, o trabalho de Pope em mostrar que é melhor ser um militar gay do que um presidiário hétero.

Quando o trabalho acaba, Quinn ainda questiona sobre a continuidade da investigação, mas tudo chega ao fim quando o cliente está satisfeito. Não é problema da equipe de Pope se o assassino não foi descoberto pela polícia, afinal de contas. “Guts” não tem nada com isso.

Scandal foi criada e escrita por Shonda Rhimes, que também é produtora executiva, ao lado de Betsy Beers. Paul McGuigan está à frente da direção da série.

P.S* Outra expressão bem escrota que define a equipe de Olivia é "Gladiadores de ternos". Repetem-na quase tanto quanto "I trust my guts".

P.S* Também é estranho que Olivia só aceite clientes que dizem a verdade. No mundo real, a coisa não é bem assim.

Escrito por: Camis Barbieri

4 comentários:

  1. Eu gostei. Não tenho muito a dizer sobre o primeiro episódio, mas em alguns momentos me lembrou bem de longe Lie To Me...Vou continuar acompanhando e ver no que vai dar. :)

    ResponderExcluir
  2. Gostei bastante, no início achei bem morninho, mas o final do episódio foi bem legal e além de tudo tem o meu lindo do Henry Ian Cusick. Vou continuar acompanhando também e ver no que dá (:

    ResponderExcluir
  3. QUE SERIADO HORRÍVEL... HORRÍVEL!!!!!!! Tem como sublinhar, negrito, itálico do "horrível?"........... nossa, muito sem noçao!!!!!!! Se for assim, quero Jack!!!!!!! Volta Jack Bauer!!!!!!! Melhor!!!! Incrível!!!!! Volta 24 horas!!!!!!!!1 horrível horrível e horrível... sandal is NOT scandal!!! Pessimo!!!!!!! E o Tate? Pai da Lexie e Mer? Ele consegue ser boca mole e e horrível, e fracassado nessa série tb!!!!!!!! Torcendo pra q a ABC cancele!!!!!!n - Ps vcs podiam colocar a entrevista do Isaiah W (Preston B), aqui!111 Foi no Jo ontem, (12/04) e foi mt boa1111111

    ResponderExcluir
  4. pra mim não é novidade, a critica elogiar algo morno,pois Rio perdeu o oscar para os muppets imagine.

    ResponderExcluir